segunda-feira, 21 de março de 2016

Plano de Aula EJA

Disciplina: FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Aluno (a): Grupo  Aline Cristina Aguiar RA 111489
                                Ericka Vanessa de Andrade RA 111577
                                Melissiane Cristina de Castro RA 111518
                                Ursula Rodrigues Alves de Andrade RA 111538
Unidade: CAPÍTULO V
ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Atividades

Plano Aula : Fábulas

 Plano de Aula EJA

Disciplina: Língua Portuguesa e Literatura. 
Séries: 5º ou 6 º ano do EJA
Tempo de duração: 4 horas aulas seguidas. 

Metodologia: 
Leitura do texto; 
Interpretação do texto; 
Discussão dos tópicos; 
Turma organizada em grupo. 

Objetivos: 
·
Promover momento de leitura e escrita em sala de aula; 
·
Possibilitar a troca de informações entre os alunos; 
·
Desenvolver a percepção das várias versões de textos; 
·
Trabalhar com a oralidade dos alunos; 

Recursos: 
Fotocópia 

Folhas sulfite. 



Introdução :
Apresentação do projeto ao aluno. E para começar, questionar se o aluno sabe o que é uma fábula? Certamente, já deve ter lido ou ouvido histórias que podem ser chamadas de fábula. Então, saiba que é o mundo dessas histórias interessantes e divertidas, que iremos conhecer no decorrer de aproximadamente três semanas, por meio de atividades desafiadoras. Ao final de nossa caminhada, você saberá tanto sobre elas que vai ser capaz de inventar a sua própria fábula e, junto com os colegas de sua classe, irá criar um livro de fábulas para apresentar aos alunos da escola. Agora vamos partir para o nosso primeiro desafio? 
Compreender o sentido das mensagens orais e escritas de que é? destinatário direto ou indireto; 
Refletir sobre a língua oral, seu uso e adequação; 
Expor oralmente com desenvoltura; 
Construir sentimentos, experiências e ideias a partir da leitura; 
Desenvolver através de fábulas momentos de descontração e criatividade na produção de textos escritos modificando o narrador da história. 
Avaliação: 
Participação individual; 
Interação com o grupo; 
Exercício de fixação; 
Escrita de uma fábula texto; 

quadro-giz; 
folha branca; 
fábulas impressas; 
Professor leitor da fábula; 
Diálogo para explicações e organização das ideias; 
Auxílio do professor na construção dos textos; 
1º Momento: 
Primeiras informações gerais a respeito do gênero textual fábula. 
Identificando as características da fábula, conhecendo três importantes fabulistas .
Leia o texto a seguir e procure separar as informações de cada fabulista e das respectivas fábulas. 
Vamos começar pelo fabulista que foi considerado por muitos “o pai da fábula”. Esopo era um escravo que viveu, no séc. VI a.C., ou seja, há 2.600 anos. Já nessa época, o fabulista tornou-se muito conhecido na Grécia e posteriormente no mundo todo, por compor e recitar fábulas, a maioria delas criadas por ele, outras já existentes. 
Contam que, na época em que Esopo viveu, quando dois povos guerreavam, aquele que perdia era transformado em escravo ou era obrigado a pagar impostos ao vencedor. 
Qualquer pessoa do povo vencido podia perder sua liberdade e ser vendida e comprada como mercadoria. Foi desta forma que Esopo se tornou escravo. 
Contam os estudiosos das fábulas e de seus autores que o povo de um lugar chamado Delfos condenou Esopo à morte acusando-o de tentar roubar um objeto sagrado. Assim, o fabulista foi empurrado de uma rocha chamada Hiampeio onde teve o seu fim. A história de Esopo revela que o povo de Delfos ficou irritado por um desentendimento que teve com o fabulista, por isso colocou o objeto na bolsa de Esopo e o acusou de roubo condenando-o à morte. 
Esopo dirigia suas fábulas ao povo, por isso são bem-humoradas, a linguagem delas é simples e o texto curto, pois é a essência do fato que interessa ao fabulista. O conteúdo de suas fábulas relaciona-se ao comportamento no cotidiano, com conselhos sobre lealdade, generosidade, entre outros. A moral é acrescentada posteriormente. 
No séc. XVI, entre 1621 e 1695, viveu o escritor francês Jean de La Fontaine. Esse escritor recontou muitas fábulas de Esopo e de outros autores, mas também criou as suas. Na época em que viveu, a França era um país muito importante por suas realizações culturais, o que favoreceu o fato de o autor utilizar um outro modo de escrever: em versos. Afinal, a poesia era muito valorizada naquele tempo. Hoje suas fábulas, por terem sido traduzidas e adaptadas encontram-se modificadas. Por meio de seus textos, La Fontaine denunciava as misérias e as injustiças que muitas pessoas viviam na época. 
Por fim, nós temos o orgulho de apresentar José Bento Monteiro Lobato o nosso grande escritor brasileiro, que viveu entre 1882 e 1948. Esse nosso escritor, em seu livro Fábulas, além de recontar fábulas de Esopo, de La Fontaine e de outros autores buscando deixá-las de fácil entendimento para as crianças, também teve fábulas de sua autoria. 
Nesse livro, Monteiro Lobato insere depois de cada história as discussões que a fábula provoca entre as personagens do conhecido Sítio do Pica Pau Amarelo. Os textos de Lobato não apenas recontam as fábulas já existentes, mas também nos fazem refletir e, muitas vezes, enxergar com outros olhos os assuntos nelas tratados. 
Contar ou ler uma fábula aos alunos; 
2º Momento: 
Interpretação e entendimento oral da fábula; 
O sapo e o boi 
Há muito, muito tempo existiu um boi imponente. Um dia o boi estava dando seu passeio da tarde quando um pobre sapo todo mal vestido olhou para ele e ficou maravilhado. Cheio de inveja daquele boi que parecia o dono do mundo, o sapo chamou os amigos. 
Olhem só o tamanho do sujeito! Até que ele é elegante, mas grande coisa: se eu quisesse também era. 
Dizendo isso o sapo começou a estufar a barriga e em pouco tempo já estava com o dobro do tamanho normal. 
Já estou grande que nem ele? perguntou aos outros sapos. 
Não, ainda está longe! responderam os amigos. 
O sapo se estufou mais um pouco e repetiu a pergunta. 
Não disseram de novo os outros sapos - , e é melhor você parar com isso porque senão vai acabar se machucando. 
Mas era tanta a vontade do sapo de imitar o boi que ele continuou se estufando, estufando, estufando – até estourar. 
Moral: Seja sempre você mesmo 
Esopo. Fábulas de Esopo. Com tradução de Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1994. 
Moral da história: Seja sempre você mesmo. Fábula de Esopo 
O texto lido é uma fábula. As fábulas são narrativas que apresentam narrativas curtas em que se atribuem fala e comportamentos humanos a animais ou coisas inanimadas. As atitudes dessas personagens servem como exemplo de comportamentos humanos que o autor deseja criticar. As fábulas carregam sempre uma lição de ordem moral. 
ATIVIDADES 
Realizar, no caderno, atividades de interpretação e compreensão. 

1) Responda: 
a) Qual o título da fábula? 
b) Explique o que é a expressão “ o dono do mundo”. 
c) O que significa a inveja para você? 
d) Quais as personagens da fábula? 
e) Por que o sapo sentia inveja do boi? 
2 - Assinale qual dos temas a seguir corresponde à fábula “ O sapo e o boi”. 
(   ) O fato de que a mentira, cedo ou tarde, sempre é descoberta. 
(   ) A importância de se tratar os outros como deseja ser tratado. 
(   ) A importância de não se mexer no que pertence a outro, sem permissão do dono. 
(   ) O fato de que cada um deve valorizar suas próprias qualidades e não invejar as do outro. 
(   ) A necessidade de se dar valor a quem nos quer bem. 

TEXTO PARA INTERPRETAÇÃO 

A CAUSA DA CHUVA (MILLOR FERNANDES, ) 

1. Não chovia há muitos e muitos meses, de modo que os animais ficaram inquietos. Uns diziam que ia chover logo, outros diziam que ainda ia demorar. Mas não chegavam a uma conclusão. 
2. Chove só quando a água cai do teto do meu galinheiro, esclareceu a galinha. 
3. Ora, que bobagem! disse o sapo de dentro da lagoa. Chove quando a água da lagoa começa a borbulhar suas gotinhas. 
4. Como assim? disse a lebre. Está visto que chove quando as folhas das árvores começam a deixar cair as gotas d’água que tem dentro. 
5. Nesse momento começou a chover. 
6. Viram? gritou a galinha. O teto do meu galinheiro está pingando. Isso é chuva! 
7. Ora, não vê que a chuva é a água da lagoa borbulhando? disse o sapo. 
8. Mas, como assim? tornava a lebre. Parecem cegos? Não veem que a água cai das folhas das árvores? 
Assinale a única opção correta de acordo com o texto: 

1. Percebe-se claramente que a causa principal da inquietação dos animais era: 

a.(   ) a chuva que caía
b.(   ) a falta de chuva
c.(   ) as discussões sobre animais
d.(   ) a conclusão a que chegaram 

2. A resposta à questão 1 é evidenciada pela seguinte frase do texto: 
a.(   ) “Uns diziam que ia chover…&” (parágrafo 1) 
b.(   ) “…& outros diziam que ainda ia demorar.” (parágrafo 1) 
c.(   ) “ Mas não chegavam a uma conclusão.” (parágrafo 1) 
d.(   ) “Não chovia há muitos e muitos meses.” (parágrafo 1) 

3. O sapo achou que o esclarecimento feito pela galinha era: 
a.(   ) correto   b.(   ) aceitável   c.(   ) absurdo   d.(   ) científico 

4. A expressão do texto que justifica a resposta da questão 3 é: 
a. (   ) “Como assim?”
b. (   ) “Viram?”
c. (   ) “Ora, que bobagem!”
d. (   ) “Parecem cegos?”



5. A atitude da lebre diante das explicações dadas pelos outros animais foi de: 
a.(  ) dúvida interrogativa
b.(  ) aceitação resignada
c.(  ) conformismo exagerado
d.(  ) negação peremptória 

6. A expressão do texto que confirma a resposta à questão 5 é: 
a.(   )  “Como assim?”
b.(   )  “Viram?” 
c.(   )  “Ora, que bobagem!”
d.(   )  “Parecem cegos?” 

7. A fábula de Millôr Fernandes é uma afirmativa de que: 
a.(   ) as pessoas julgam os fatos pela aparência 
b.(   ) cada pessoa vê as coisas conforme o seu estado e seu ponto de vista 
c.(   ) todos tem uma visão intuitiva dos fenômenos naturais 
d.(   ) o mundo é repleto de cientistas 

8. O relato nos leva a concluir que: 
a.(   ) A galinha tinha razão 
b.(   ) A razão estava com o sapo 
c.(   ) A lebre julgava-se dona da verdade. 
d.(   ) As opiniões estavam objetivamente erradas. 

9. Cada um dos animais teve sua afirmação satisfeita quando: 
a.(  ) a discussão terminou 
b.(  ) chegaram a um acordo 
c.(  ) começou a chover 
d.(  ) foram apartados por outro animal 


10. Toda fábula encerra um ensinamento. Podemos sintetizar o ensino desta fábula através da frase: 
a.(  ) A mentira tem pernas curtas. 
b.(  ) As aparência enganam. 
c.(  ) Água mole em pedra dura tanto bate até que fura. 
d.(  ) Não julgueis e não sereis julgados. 

3º Momento: 
Propor a reprodução coletiva da fábula contada mudando a visão da história e passando para a primeira pessoa. 
Fazer interferência no quadro chamando a atenção para a escrita das palavras, pontuação, sequência de ideias, dentre outros elementos imprescindíveis na construção de textos; 
Registro da fábula adaptada no caderno. 

4º Momento: 
Propor a criação individual de fábulas. 
Apresentar diversas possibilidades para a escolha: 
Ou mesmo deixar a livre escolha individual do aluno; 
A primeira produção. Escrevendo minha própria fábula Agora você é o autor. Crie a sua própria fábula em uma folha avulsa, com base nas características que você já conhece do gênero e entregue-a para seu/sua professor/professora. 

 5º Momento: 
Estas produções poderão ser realizadas em folhas avulsas para que haja um posterior reajuste por parte o professor .
Caso os alunos não consigam terminar esta atividade poderão realizá-la no próximo encontro (recolher as folhas); 
Na próxima após efetuada correções e observações do professor retomar a atividade.

Pedir aos alunos que após as aulas pesquisem na internet sobre fábulas e avaliar o trabalho de pesquisa para nota.

Nenhum comentário:

Postar um comentário